domingo, 6 de março de 2011

O poema VERSO-SERPENTINA de Jefferson Bessa

Pierrot - Pablo Picasso


Verso-serpentina de Jefferson Bessa

(enquanto festejam lá fora
eu aqui sentado escrevo
e sinto sentado.
quatro da manhã
depois de já dormir
penso na vaidade de um verso
que se quer registrar,
que se quer lido)

então um verso-serpentina
enrolado ao tempo breve
feito para jogar ao chão
em ondulação aérea

ouvindo
um verso claro
- que em seu curso
se evapora na dança de fazê-lo
como quem brinca
- sem fantasia,
sem co
(memoração)



Um amigo me lembrou de um poema que escrevi em 2009. Sugeriu que o postasse no blog por conta do momento de festa no país.




Agradeço e adiciono a esta postagem o poema do Rogel Samuel para Jefferson Bessa:



SEU VERSO SERPENTEIA
NA MINHA IMAGINAÇÃO
CARNAVALESCA

solta
livre
enroscada
essa serpentina
faz
meu carnaval

3 comentários:

teca disse...

A DO REI!
É ótimo ter amigos que se lembram das nossas letras tão vibrantes!

Um beijo imenso, poeta, com confetes e serpentina do coração.

ROGEL SAMUEL disse...

SEU VERSO SERPENTEIA NA MINHA IMAGINACAO CARNAVALESCA,

solta
livre
enroscada
essa serpentina
faz
meu carnaval

Mirze Souza disse...

Maravilhoso !

Dois poemas que se completam!

Parabéns aos dois poetas!

Beijos

Mirze