terça-feira, 22 de novembro de 2016

UM POEMA DE MANOEL DE BARROS



Por forma que a nossa tarefa principal
era a de aumentar
o que não acontecia.
(Nós era um rebanho de guris)
A gente era bem-dotado para aquele serviço
de aumentar o que não acontecia.
A gente operava a domicílio e pra fora.
E aquele colega que tinha ganho um olhar
de pássaro
Era o campeão de aumentar os desacontecimentos.
Uma tarde ele falou para nós que enxergara um
lagarto espichado na areia
a beber um copo de sol.
Apareceu um homem que era adepto da razão
e disse:
Lagarto não bebe sol no copo!
Isso é uma estultícia.
Ele falou de sério.
Ficamos instruídos.

Da seção 4 de Canção do ver no livro Poemas Rupestres (2004)

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

DIZENDO COMO UMA CRIANÇA: poema de Jefferson Bessa


um homem me disse: o silêncio
é como experimentar a morte.
ouvi a assertiva feito uma criança.
sem qualquer dificuldade afirmei:
por isso nunca se sabe do silêncio
- a morte alguma vez foi sentida?
o que não se sente não é nada

o silêncio, nunca o sentimos
muito do que se acredita não existe:
é como pensar que se sente morto.
isso tudo ficou claro para mim
e o homem adulto, previsível, disse
você parece bastante doido.
respondi: sou doido feito criança

domingo, 25 de setembro de 2016

DEFINIÇÃO DO AMOR: POEMA DE GREGÓRIO DE MATOS





Mandai-me, Senhores, hoje, 
que em breves rasgos descreva 
do Amor a ilustre prosápia, 
e de Cupido as proezas.

Dizem que da clara escuma, 
dizem que do mar nascera, 
que pegam debaixo d'água 
as armas, que Amor carrega.

Outros, que fora ferreiro 
seu pai, onde Vênus bela 
serviu de bigorna, em que 
malhava com grã destreza.

Que a dois assopros lhe fez 
o fole inchar de maneira, 
que nele o fogo acendia, 
nela aguava a ferramenta.

Nada disto é, nem se ignora, 
que o Amor é fogo, e bem era 
tivesse por berço as chamas 
se é raio nas aparências.

Este se chama Monarca, 
ou Semideus se nomeia, 
cujo céu são esperanças, 
cujo inferno são ausências.

Um Rei, que mares domina, 
Um Rei, o mundo sopeia, 
sem mais tesouro que um arco, 
sem mais arma que uma seta.

O arco talvez de pipa, 
a seta talvez de esteira, 
despido como um maroto, 
cego como uma toupeira.

Um maltrapilho, um ninguém, 
que anda hoje nestas eras 
com o cu à mostra, jogando 
com todos a cabra-cega.

Tapando os olhos da cara, 
por deixar o outro alerta, 
por detrás à italiana, 
por diante à portuguesa.

Diz que é cego, porque canta, 
ou porque vende gazetas 
das vitórias, que alcançou 
na conquista das finezas.

Que vende também folhinhas 
cremos por coisa mui certa, 
pois nos dá os dias santos, 
sem dar ao cuidado tréguas;

E porque despido o pintam 
é tudo mentira certa, 
mas eu tomara ter junto 
o que Amor a mim me leva.

Que tem asas com que voa 
e num pensamento chega 
assistir hoje em Cascais 
logo em Coina, e Salvaterra.

Isto faz um arrieiro 
com duas porradas tesas: 
e é bem, que no Amor se gabe, 
o que o vinho só fizera!

E isto é Amor? é um corno. 
Isto é Cupido? má peça. 
Aconselho que o não comprem 
ainda que lhe achem venda.

Isto, que o Amor se chama, 
este, que vidas enterra, 
este, que alvedrios prostra, 
este, que em palácios entra:

Este, que o juízo tira, 
este, que roubou a Helena, 
este, que queimou a Troia, 
e a Grã-Bretanha perdera:

Este, que a Sansão fez fraco, 
este, que o ouro despreza, 
faz liberal o avarento, 
é assunto dos poetas:

Faz o sisudo andar louco, 
faz pazes, ateia a guerra, 
o frade andar desterrado, 
endoidece a triste freira.

Largar a almofada a moça, 
ir mil vezes à janela, 
abrir portas de cem chaves, 
e mais que gata janeira.

Subir muros e telhados, 
trepar cheminés e gretas, 
chorar lágrimas de punhos, 
gastar em escritos resmas.

Gastar cordas em descantes, 
perder a vida em pendências, 
este, que não faz parar 
oficial algum na tenda.

O moço com sua moça, 
o negro com sua negra, 
este, de quem finalmente 
dizem que é glória, e que é pena.

É glória, que martiriza, 
uma pena, que receia, 
é um fel com mil doçuras, 
favo com mil asperezas.

Um antídoto, que mata, 
doce veneno, que enleia, 
uma discrição, sem siso, 
uma loucura discreta.

Uma prisão toda livre, 
uma liberdade presa, 
desvelo com mil descansos, 
descanso com mil desvelos.

Uma esperança, sem posse, 
uma posse, que não chega, 
desejo, que não se acaba, 
ânsia, que sempre começa.

Uma hidropisia d'alma, 
da razão uma cegueira, 
uma febre da vontade, 
uma gostosa doença.

Uma ferida sem cura, 
uma chaga, que deleita, 
um frenesi dos sentidos, 
desacordo das potências.

Um fogo incendido em mina, 
faísca emboscada em pedra, 
um mal, que não tem remédio, 
um bem, que se não enxerga.

Um gosto, que se não conta, 
um perigo, que não deixa, 
um estrago, que se busca, 
ruína, que lisonjeia.

Uma dor, que se não cala, 
pena, que sempre atormenta, 
manjar, que não enfastia, 
um brinco, que sempre enleva.

Um arrojo, que enfeitiça, 
um engano, que contenta, 
um raio, que rompe a nuvem, 
que reconcentra a esfera.

Víbora, que a vida tira 
àquelas entranhas mesmas, 
que segurou o veneno, 
e que o mesmo ser lhe dera.

Um áspide entre boninas, 
entre bosques uma fera, 
entre chamas salamandra, 
pois das chamas se alimenta.

Um basalisco, que mata, 
lince, que tudo penetra, 
feiticeiro, que adivinha, 
marau, que tudo suspeita.

Enfim o Amor é um momo, 
uma invenção, uma teima, 
um melindre, uma carranca, 
uma raiva, uma fineza.

Uma meiguice, um afago, 
um arrufo, e uma guerra, 
hoje volta, amanhã torna, 
hoje solda, amanhã quebra.

Uma vara de esquivanças, 
de ciúmes vara e meia, 
um sim, que quer dizer não, 
não, que por sim se interpreta.

Um queixar de mentirinha, 
um folgar muito deveras, 
um embasbacar na vista, 
um ai, quando a mão se aperta.

Um falar por entre dentes, 
dormir a olhos alerta, 
que estes dizem mais dormindo, 
do que a língua diz discreta.

Uns temores de mal pago, 
uns receios de uma ofensa, 
um dizer choro contigo, 
choramingar nas ausências.

Mandar brinco de sangrias, 
passar cabelos por prenda, 
das palmitos pelos Ramos, 
e dar folar pela festa.

Anal pelo São João, 
alcachofras na fogueira, 
ele pedir-lhe ciúmes, 
ela sapatos e meias.

Leques, fitas e manguitos, 
rendas da moda francesa, 
sapatos de marroquim, 
guarda-pé de primavera.

Livre Deus, a quem encontra, 
ou lhe suceder ter freira; 
pede-vos por um recado 
sermão, cera e caramelas.

Arre lá com tal amor! 
isto é amor? é quimera, 
que faz de um homem prudente 
converter-se logo em besta.

Uma bofia, uma mentira 
chamar-lhe-ei, mais depressa, 
fogo selvagem nas bolsas, 
e uma sarna das moedas.

Uma traça do descanso, 
do coração bertoeja, 
sarampo da liberdade, 
carruncho, rabuge e lepra.

É este, o que chupa, e tira, 
vida, saúde e fazenda, 
e se hemos falar verdade 
é hoje o Amor desta era.

Tudo uma bebedice, 
ou tudo uma borracheira, 
que se acaba co'o dormir, 
e co'o dormir começa.

O Amor é finalmente 
um embaraço de pernas, 
uma união de barrigas, 
um breve tremor de artérias.

Uma confusão de bocas, 
uma batalha de veias, 
um reboliço de ancas, 
quem diz outra coisa, é besta.

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

OS CARAMUJOS: POEMA DE MANOEL DE BARROS



Há um comportamento de eternidade nos caramujos.
Para subir os barrancos de um rio, eles percorrem um
dia inteiro até chegar amanhã.
O próprio anoitecer faz parte de haver beleza nos
caramujos.
Eles carregam com paciência o início do mundo.
No geral os caramujos têm uma voz desconformada
por dentro.
Talvez porque tenham a boca trôpega.
Suas verdades podem não ser.
Desde quando a infância nos praticava na beira do rio
Nunca mais deixei de saber que esses pequenos
moluscos
Ajudam as árvores a crescer.
E achei que esta história só caberia no impossível.
Mas não; ela cabe aqui também.

Do livro Tratado geral das grandezas do ínfimo

domingo, 24 de julho de 2016

POEMA DE ALBERTO CAEIRO




XXXIII

Pobres das flores nos canteiros dos jardins regulares.
Parecem ter medo da polícia...
Mas tão boas que florescem do mesmo modo
E têm o mesmo sorriso antigo
Que tiveram para o primeiro olhar do primeiro homem
Que as viu aparecidas e lhes tocou levemente
Para ver se elas falavam...


Do livro "O guardador de rebanhos"



segunda-feira, 27 de junho de 2016

CARTAGO FUI EU: poema de Jorge Tufic



Canta um pássaro morto sobre o dia
que a muitos outros já se misturou:
algo abaixo dos ramos silencia,
treme a terra na pedra que restou.
Vem de que mares essa nostalgia
que meus ossos fenícios engessou?
De Cartago, talvez, da noite fria
transformada no pássaro que sou.
Esse canto noturno me extenua.
Vem de Cartago, sim; da negra lua
por dono o sol que abrasa, mas festeja.
Esplende a noite em látegos de urtiga.
Brinda-se à morte ao cálice da intriga.
Meu corpo, feito escombros, relampeja.


( Coral das Abelhas)

domingo, 5 de junho de 2016

À ESPERA DOS BÁRBAROS: POEMA DE KONSTANTINOS KAVÁFIS





O que esperamos na ágora reunidos?

           É que os bárbaros chegam hoje.

Por que tanta apatia no senado?
Os senadores não legislam mais?

            É que os bárbaros chegam hoje.
            Que leis hão de fazer os senadores?
            Os bárbaros que chegam as farão.

Por que o imperador se ergueu tão cedo
e de coroa solene se assentou
em seu trono, à porta magna da cidade?

            É que os bárbaros chegam hoje.
            O nosso imperador conta saudar
            o chefe deles. Tem pronto para dar-lhe
            um pergaminho no qual estão escritos
            muitos nomes e títulos.

Por que hoje os dois cônsules e os pretores
usam togas de púrpura, bordadas,
e pulseiras com grandes ametistas
e anéis com tais brilhantes e esmeraldas?
Por que hoje empunham bastões tão preciosos
de ouro e prata finamente cravejados?

          É que os bárbaros chegam hoje,
          tais coisas os deslumbram.

Por que não vêm os dignos oradores
derramar o seu verbo como sempre?

           É que os bárbaros chegam hoje
           e aborrecem arengas, eloqüências.

Por que subitamente esta inquietude?
(Que seriedade nas fisionomias!)
Por que tão rápido as ruas se esvaziam
e todos voltam para casa preocupados?

           Porque é já noite, os bárbaros não vêm
           e gente recém-chegada das fronteiras
           diz que não há mais bárbaros.

Sem bárbaros o que será de nós?
Ah! eles eram uma solução.

tradução José Paulo Paes