sexta-feira, 29 de maio de 2009

Tao Te Ching – Lao Tsé (poema 47)


Sem sair de casa,

Conhece-se o mundo.

Sem olhar pela janela,

Vê-se o Tao do Céu.

Quanto mais longe se vai,

Menos se sabe.
..

Por isso o Sábio não precisa viajar

E, no entanto, sabe tudo.

Não precisa ver

E, no entanto, sabe tudo.

Não precisa fazer nada

Para fazer coisas.

(tradução Richard Wilhelm)

No Wikipédia há um verbete introdutório para o "sentido" de Tao: http://pt.wikipedia.org/wiki/Tao

2 comentários:

ROGEL SAMUEL disse...

bravo, amigo, o não-fazer do tao que é a sua grandeza...
é a não-ação do fazer, uma ação sem sujeito, pura espontânea grandeza...
bravo, amigo, o tao é a sua poesia... sua poesia é tao...

Jefferson Bessa disse...

Amigo, isso mesmo: a não-ação do fazer. Obrigado pelo seu excelente comentário, Rogel, pois certamente contribuiu para a postagem. Bom que tenha gostado. TUDO DE BOM!!!

Um forte abraço.
Jefferson.