quarta-feira, 6 de maio de 2009

Vento à noite - um poema de Dámaso Alonso



O vento é um cão sem dono,
que lambe a noite imensa.
A noite não tem sono.
E o homem, entre sonhos, pensa.
.
E o homem sonha, dormindo,
que o vento é um cão sem dono
que uiva a seus pés estendido
para lamber-lhe o sonho
.
E ainda não chegou a hora.
.
A noite não tem sono:
alerta, sentinela!

Tradução Jefferson Bessa

5 comentários:

ROGEL SAMUEL disse...

que fantástico, amigo, você desvelou um poema de Dámaso Alonso... uma raridade... uma felicidade...

Jefferson Bessa disse...

Fico feliz por ter gostado, AMIGO! Obrigado pela visita.

Um abraço.
Jefferson.

Maria Costa disse...

Como quem vela...

Gostei de ler aqui este poeta espanhol.

Ianê Mello disse...

Belíssimo poema!

Um abraço.

Valdirene Leão disse...

Profundo e tocante poema!