sábado, 29 de agosto de 2009

A velha casa e seus poemas: Rogel Samuel e Jefferson Bessa


O poeta Rogel Samuel escreveu:

A meu poema "casa abandonada", o poeta Jefferson Bessa escreveu uma resposta:


casa abandonada (Rogel Samuel)


as janelas estavam assassinadas
assistiam a tudo
ao mar, às aves, à montanha
nunca mais fechadas
fecundas de vento
arrebatadas de sol
batidas pelo firmamento
e as janelas nunca mais se fecharam
porque não havia ninguém mais lá dentro
porque os poros da casa se abriram
às verdejantes trepadeiras
que cobriam todo passado

----------------------


Esta casa (Jefferson Bessa)


Esta casa é
O abrigo do poema.

E respiram as paredes
A verde-planta do tempo.
Crescem por sobre a casa
O olhar presente do passado
De entre-ver nossas janelas
Que não se trancam mais.
Por lá não ter ninguém
É que elas me olham.
Por nenhuma noite mais
Fecharei minhas cortinas.

Este poema é
O abrigo desta casa.


-----------------


Minha resposta (Rogel Samuel)


Por lá não há mais ninguém
nesta casa abandonada
nem os fantasmas esguios
nem as fadas enamoradas
nem mendigos nem ninguém
mesmo o tempo por lá não encosta
mesmo as recordações se desfazem
as memórias as cansadas
naves da madrugada
cinzas do que passou
solidão das marés
esquecimento e silêncio

5 comentários:

Jonathan disse...

Jefferson,
Isso é que é uma correspondência magnífica!!! Parabéns pra ambos!!!

Abraços

Jefferson Bessa disse...

Jonathan, bom que gostou! Obrigado pela leitura.

Um abraço.

ROGEL SAMUEL disse...

realmente, no seu blog parecem mais interessante os meus versos

Jefferson Bessa disse...

AMIGO, é uma honra saber que esteve por aqui. Obrigado!

Um abraço.
Jefferson.

Anderson disse...

Muito bacana!!!