sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Salexistência: um poema de Tenório Telles

Salário

Sal

salga meus sonhos
meus olhos

Sal

que fere
minhas chagas
salmouradas
salgada existência

A vida por um salário
salexistência
O sal da terra
salga-nos os ossos.

(De Primeiros fragmentos)

2 comentários:

Lara disse...

Muito Bom! pura vdd!!

Anônimo disse...

Foi show de bola.