segunda-feira, 22 de março de 2010

É quando estás de joelhos: poema de David Mourão-Ferreira


É quando estás de joelhos
que és toda bicho da Terra
toda fulgente de pelos
toda brotada de trevas
toda pesada nos beiços
de um barro que nunca seca
nem no cântico dos seios
nem no soluço das pernas
toda raízes nos dedos
nas unhas toda silvestre
nos olhos toda nascente
no ventre toda floresta
em tudo toda segredo
se de joelhos me entregas
sempre que estás de joelhos
todos os frutos da Terra.

2 comentários:

Mai disse...

Naturalmente bela, a entrega e as imagens.

Hilton disse...

O abismo de toda mulher! Belíssimo!