quinta-feira, 25 de março de 2010

A fruta: um poema de Antonio Miranda

A FRUTA


É a fruta madura
intumescente,
ejaculando
iridescente,
disseminando.

Fruta cortada,
ferida,
exalando provocações
irrecusáveis.

A fruta no prato,
o corpo na cama,
é o pranto que acalma,
é a natureza natimorta
que exorta
e clama.

Fruta colhida,
tolhida,
prostrada,
possuída,
aguardando a consumação.

É a fruta na mão.

2 comentários:

Mai disse...

Poderes de Eros, um poema repleto de imagens.
abraços

Lídia Borges disse...

Colorido, movimentado, doce...

L.B.