domingo, 27 de novembro de 2011

"Todo dia ouço o rumor das águas": Um poema de James Joyce







Todo dia ouço o rumor das águas
      Em lamento,
Graves como a gaivota, indo
      Só, no vento
Que grita ao mar em seu moroso
      Movimento.


No vento frio, no vento escuro
      Vou-me à toa.
Escuto o manancial que lá do
      Fundo escoa.
Dia e noite, escuto-o - indo, vindo,
      Ele escoa.

tradução: Alípio Correia de Franca Neto

2 comentários:

MIRZE disse...

Eterno James Joyce!

Maravilhoso poema!

Beijos

Mirze

elis disse...

Realmente maravilhoso. Gostei muito do teu espaço! Abraços...