segunda-feira, 27 de junho de 2016

CARTAGO FUI EU: poema de Jorge Tufic



Canta um pássaro morto sobre o dia
que a muitos outros já se misturou:
algo abaixo dos ramos silencia,
treme a terra na pedra que restou.
Vem de que mares essa nostalgia
que meus ossos fenícios engessou?
De Cartago, talvez, da noite fria
transformada no pássaro que sou.
Esse canto noturno me extenua.
Vem de Cartago, sim; da negra lua
por dono o sol que abrasa, mas festeja.
Esplende a noite em látegos de urtiga.
Brinda-se à morte ao cálice da intriga.
Meu corpo, feito escombros, relampeja.


( Coral das Abelhas)

Um comentário:

ROGEL SAMUEL disse...

TUFIC É O MESTRE DO POEMA SONORO E SURPREENDE...