sexta-feira, 14 de setembro de 2012

O VERBO NO INFINITO: UM POEMA DE VINÍCIUS DE MORAES




Ser criado, gerar-te, transformar
O amor em carne e a carne em amor; nascer
Respirar, e chorar, e adormecer
E se nutrir para poder chorar.

Para poder nutrir-se; e despertar
Um dia à luz e ver, ao mundo e ouvir
E começar a amar e então sorrir
E então sorrir para poder chorar.

E crescer, e saber, e ser, e haver
E perder, e sofrer, e ter horror
De ser e amar, e se sentir maldito

E esquecer tudo ao vir um novo amor
E viver esse amor até morrer
E ir conjugar o verbo no infinito...

2 comentários:

teca disse...

Sábio e inesquecível poetinha...

Belos versos escolhidos, poeta Jefferson.

Bom fim de semana.
Beijo carinhoso.

Lu Oliveira disse...

Olá,
Muito bacana a postagem. Vinicius era mesmo um grande poeta!
Abraços,
Lu Oliveira
www.luoliveiraoficial.com.br