quinta-feira, 19 de julho de 2012

LAMENTO: UM POEMA DE GEORG TRAKL




Sono e morte, as tenebrosas águias
Rodeiam a noite inteira essa cabeça:
A imagem dourada do Homem
Engolida pela onda fria
Da eternidade. Em medonhos recifes
Despedaça-se o corpo purpúreo.
E a voz escura lamenta
Sobre o mar.
Irmã de tempestuosa melancolia
Vê, um barco aflito afunda
Sob estrelas,
Sob o rosto calado da noite.

tradução: Claudia Cavalcanti

Um comentário:

teca disse...

Gostei muito e não conhecia... obrigada.

Beijo carinhoso.